Ó PESSOAL...

...Visitem-se uns aos outros...cliquem nos cartões e conheçam os outros sócios.
Não deixem também de ver as publicações anteriores. Há sempre coisas interessantes que por vezes nos passam ao lado...

sexta-feira, 1 de agosto de 2008

CINZAS

És o pecado frio da minha vingança ardente
Entre reposteiros de almas carregadas de plumas e de incenso
Entre pesos de pedras por limar e de sedas rasgadas
Encontro-te entre a fúria de retratos pregados na cruz
E rasgo-te entre as frestas de feridas abertas
Assimilo a tua existência como o vazio recorrente
Que recheia a memória de comas persistentes
Devoro o teu nome como um Louva-a-Deus
Se entretém a mastigar compassadamente a vida
Enquanto mergulho na renitência da dor
Sinto a alma renascer das cinzas líquidas do teu sangue
E as asas que me nascem do fundo deste corpo
São fúrias aladas que devastam a tua imagem
Nas sombras negras que voam e caminham por mim
Não assino o meu nome na minha obra
Porque não restou nada de ti para se terminar